Obesidade : Existe tratamento?

Cirurgia de Diabetes : A luta contra a Morte
8 de dezembro de 2017
Reversão da Cirurgia de Redução do Estômago
27 de fevereiro de 2018

mid section view of a man sitting on a bench in a park --- Image by © Royalty-Free/Corbis

O combate à obesidade requer ação conjunta e visão ampliada de saúde

Humberto Dantas

14 Dezembro 2017 | 11h57

Texto de autoria de: Karla Coelho, líder MLG, diretora de Normas e Habilitação de Produtos da Agência Nacional de Saúde Suplementar 

A receita não é nova, tampouco desconhecida: a melhor forma de prevenir e combater o excesso de peso envolve a prática de exercícios físicos e cuidados alimentares. Mas apesar da aparente simplicidade dessa fórmula, a realidade mostra que sua aplicação prática não tem sido suficiente para deter o problema, que é apontado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma das principais questões de saúde enfrentadas atualmente no mundo.

O excesso de peso e a obesidade se constituem no segundo fator de risco mais importante para a carga global de doenças, incluindo diabetes, enfermidades cardiovasculares e diversos tipos de câncer. Estimativas da Associação Internacional de Obesidade indicam que 1 bilhão de adultos esteja com excesso de peso no mundo e cerca de 475 milhões sejam obesos. No Brasil, a situação não é diferente. De acordo com a pesquisa Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel), mais de 50% da população brasileira adulta está acima do peso, ou seja, na faixa de sobrepeso e obesidade.

Entre os beneficiários de planos de saúde, dados inéditos do Vigitel da Saúde Suplementar mostram que, em 2016, 53,7% da população apresentaram excesso de peso e 17,7% estavam obesos. Essas taxas vêm aumentando, com uma variação média de 0,8 e 0,6 pontos percentuais ao ano, respectivamente.

Sabe-se que a obesidade é uma doença multifatorial, reincidente e muitas vezes silenciosa, e se não for prevenida e cuidada corretamente, tem um impacto devastador na vida do indivíduo, bem como na economia do País. A prevenção e o tratamento precisam de uma abordagem multiprofissional e transdisciplinar. Dessa forma, a proposta de enfrentamento do problema requer ação de diversos setores da sociedade, não apenas do setor de saúde.

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) tem estimulado os planos de saúde a repensarem a organização das suas redes de atenção, no intuito de rediscutir as formas de organização dos serviços de saúde, tendo por objetivo o monitoramento dos fatores de risco, o gerenciamento de doenças crônicas e a compressão da morbidade e diminuição dos anos de vida perdidos por incapacidades. Neste contexto, a ANS criou um grupo multidisciplinar para conduzir o Projeto de Enfrentamento do Excesso de Peso e Obesidade na Saúde Suplementar, estimulando o engajamento dos atores do setor em uma visão ampliada de saúde.

O objetivo é reunir diretrizes que apontem para a integração entre procedimentos de prevenção e cuidado, compondo uma orientação criteriosa, à qual as operadoras de planos de saúde possam se basear. A utilização de normas baseadas em evidências científicas permite que os profissionais de saúde identifiquem o risco e o caminho a ser percorrido pelo indivíduo com excesso de peso e obesidade, e seu monitoramento por meio de indicadores de acesso, da qualidade e do nível de coordenação do cuidado. Essas diretrizes ainda permitem a implementação de ações de promoção, prevenção e a realização de busca ativa para que seja feito o diagnóstico precoce; continuidade entre o diagnóstico e o tratamento; informação compartilhada e tratamento mais adequado e em tempo oportuno, para que o paciente com excesso de peso consiga seguir o percurso ideal para o cuidado.

A obesidade é resultado de uma complexa combinação de fatores biológicos, comportamentais, socioculturais, ambientais e econômicos. A proposta de enfrentamento problema, portanto, requer ação de diversos setores da sociedade e não pode ficar restrita à saúde. A estratégia deve contemplar uma abordagem ampla e focada nas necessidades do indivíduo. As recomendações para mudança nos hábitos de vida devem ser graduais e prazerosas, com um olhar voltado para o contexto socioeconômico e cultural, adaptando recomendações e estratégias de implementação customizadas. Somente assim conseguiremos melhorar a qualidade de vida e os índices de saúde da população.

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Converse no WhtasApp
Fale conosco

No momento nenhum atendente está disponível. Mas você poe nos deixar sua mensagem que iremos entrar em contato em breve.

Em que podemos ajudar?

Pressione ENTER para conversar